COM UTI'S LOTADAS MARANHÃO REGISTRA RECORDE DE MORTES EM UM ÚNICO DIA


Ontem, o Maranhão registrou 42 mortes. Infelizmente, o quadro é muito preocupante em todo Estado, mas, principalmente, nas cidades do sul, pois a população insiste em continuar se aglomerando e não aceita o recolhimento social. 

Operando no vermelho há meses, a classe empresarial ameaça os funcionários com demissões e os orientam a fazer uso das redes sociais pedindo a liberação do comércio e demais atividades. 

Estamos vivendo uma situação caótica na saúde pública em todo Estado, com 100% de ocupação na rede particula e quase 100% de UTI’s ocupadas na rede estadual.


Atualmente, conseguir um leito nas unidades públicas, muito embora o Governo negue que isso seja verdade, bem como na rede privada, é uma missão quase que impossível. 

A situação se agrava no sul, especialmente em Imperatriz, cidade que funciona como se fosse uma espécie de capital na região, e acaba por receber pacientes de várias cidades próximas, e até de outros estados como Tocantins e Pará. 

O Maranhão está numa linha ascendente de casos, cada vez mais verticalizada, o que preocupa os especialistas. Já o Governo do Estado, por sua vez,  tenta a todo custo passar uma imagem de serenidade e controle, mas os fatos mostram uma realidade bem diferente, pois os leitos de UTI,s que estão sendo abertos se mostram insuficientes. Falta atendimento primário e os óbitos tendem a aumentar, principalmente porque a população não segue as recomendações de recolhimento e age como se nada estivesse acontecendo. 

A MUTAÇÃO DO VÍRUS E O RISCO REAL DE UMA NOVA VARIANTE BRASILEIRA

O vírus do COVID-19 circulando em nosso país nesta 2ª onda não é o mesmo de 2020. Trata-se de uma variante Inglesa ainda mais agressiva, contagiosa e mortal. Segundo os especialistas, se a população não se conscientizar de que é vital o recolhimento social, há chances reais do surgimento de uma nova mutação do COVID-19 brasileira, ainda mais devastadora. 

BLOQUEIO MUNDIAL CONTRA O BRASIL

Por este motivo hoje brasileiros não são aceitos em lugar algum do globo, pois a visão do mundo sobre o Brasil é de caos e abandono, mas, principalmente, de TOTAL INCOMPETÊNCIA para lidar com o vírus e fazer aplicar as normas sanitárias básicas. 

Quando colocamos esta afirmação, de forma alguma estamos dizendo que a culpa é do Governo Federal, pelo contrário, o entendimento mundial é que existe uma COMPLETA DESORDEM INSTITUCIONAL, fazendo com que Estados, Municípios e Governo Federal não se entendam e, ainda, comportando-se com uma incapacidade impressionante no trato com o vírus, mesmo já tendo empregado BILHÕES no combate a pandemia. 

É fato de que o Governo Federal deveria ter sido mais ágil na aquisição de vacinas e se prevenido com pré-contratos junto aos fabricantes mundiais dos imunizantes, enquanto as mesmas aguardavam liberação da ANVISA. Mas não podemos tirar as responsabilidades dos demais entes federativos que, segundo os especialistas, administram baseados em suposições vagas e tomando iniciativas sempre atrasadas. 

O BRASIL ERROU E CONTINUA ERRANDO 

O Brasil até hoje não fez qualquer estudo científico para ver o comportamento do vírus na sociedade, sua disseminação e consequências, dentre outras, sejam socioeconômicas ou comportamentais. 

Não foram feitos estudos para identificação dos grupos de risco. Onde estão? Como se comportam diante do atual momento? 

Sabemos que são analisados diariamente pelo Ministério da Saúde dados ambulatoriais, contudo tomar decisões baseadas nestes dados só deixou o País um passo atrás do vírus. É necessária a atuação mais contundente. 

Os políticos precisam criar vergonha na cara, sair das suas salas com ar condicionado e se deslocar as ruas, montar equipes de saúde preparadas para identificar a sociedade e a ocorrência do vírus antes da INTERNAÇÃO. 


ESTUDO REVOLUCIONÁRO DA INICIATIVA PRIVADA

Baseado no que há de mais moderno no mundo em combate a pandemias e nos resultados positivos de países mais desenvolvidos que tiveram baixíssimos índices de contaminação e morte, o EMET INSTITUTO vem realizando no  país uma PESQUISA EPIDEMIOLÓGICA, que analisa todos os dados da cidade, inclusive socioeconômicos, identificando grupos de risco e dando soluções inteligentes como LOCKDOWN POR ÁREA, BARREIRAS SANITÁRIAS EM BAIRROS e ISOLAMENTO DE VULNERÁVEIS PREVENTIVO. 

"Fazemos um diagnóstico completo do município na área de saúde inclusive com exames em tempo real, conseguimos por meio de um processo altamente tecnológico identificar áreas de risco e índices estatísticos que a partir deles, coletamos informações fundamentais para a saúde. Informou bastos e continuou.

Os gestores estão tomando decisões baseados em ACHISMO, isso não é gestão, é crime de improbidade e prevaricação.
Áreas de grande circulação devem ser sanitizadas diariamente, já as de grande contaminação devem ser isoladas, mas jamais a cidade inteira, pois os prejuízos ao setor empresarial são enormes e por incompetência dos entes públicos que não estão combatendo o vírus de forma inteligente, focam na ponta e não na prevenção.
O leito de UTI custa 1000x mais que estudos científicos para evitar que se chegue a internação, é uma vergonha o que está acontecendo no Brasil.
Não dá mais para dizermos que é algo novo, estamos há um ano SENDO ESPANCADOS por um vírus, muitas mortes poderiam ter sido evitadas com medidas muito mais simples, mais baratas e eficazes.
A verdade é que os governos municipais, estaduais e federal estão perdidos, não sabem o que fazer, um desastre!" desabafou Fernando Bastos, proprietário do instituto.